Nome da Foto
Araracanga. Foto: Haroldo Palo Jr.

Notícias

13 set 2017
Reserva Natural Serra do Tombador

Dia do Cerrado é celebrado em um dos meses mais críticos para região

Queimadas se intensificam no período de junho a outubro e se tornam preocupação recorrente num dos biomas mais ameaçado do Brasil

Com mais de oito mil hectares, a Reserva Natural Serra do Tombador, em Cavalcante (GO), é uma das Unidades de Conservação do Cerrado. 
Crédito: Adrian Moss

Nesta semana (11/09) foi lembrado o Dia do Cerrado - segundo maior bioma da América do Sul - mas poucos são os motivos para comemorar. O período de seca ocorre com intensidade nesta época do ano, entre os meses de junho e outubro, quando os índices de chuvas reduzem tanto que podem chegar a zero. Por conta disso, a baixa umidade do ar, os ventos fortes e o calor provocam uma grande incidência de incêndios nas vegetações - as conhecidas queimadas -, que se alastram e ameaçam a biodiversidade local. 
 
Além da destruição da vegetação, as queimadas ameaçam a população, pelos riscos à saúde e por gerar problemas com infraestrutura, como queda no fornecimento de energia elétrica, perdas em propriedades rurais e visibilidade ruim em rodovias.

Vale ressaltar que não é somente o fogo natural que oferece perigo. “O uso das queimadas na agropecuária é comum na região. Produtores rurais utilizam o fogo como manejo da terra, principalmente na época de seca, o que se não for feito com muito cuidado oferece grande risco à biodiversidade e às pessoas”, afirma Leide Takahashi, gerente de Projetos Ambientais da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. As queimadas acidentais também configuram um grave problema e são causadas por faíscas de fogueiras, bitucas de cigarro ou até mesmo vidros e latas de bebida, dispensadas nas margens das rodovias, que servem de “combustível” para o avanço rápido do fogo já formado.

Para lutar contra o fogo, os gestores das Unidades de Conservação – que são áreas legalmente protegidas destinadas à proteção da natureza – investem em parcerias, oferecendo treinamentos de capacitação para funcionários e para a comunidade. É o caso da operação Cerrado Vivo 2017, lançada pelo Corpo de Bombeiros de Goiás, que, além de combater as queimadas, tem como objetivo promover ações preventivas e educativas junto à população. 

Somando esforços

Com mais de oito mil hectares, a Reserva Natural Serra do Tombador, em Cavalcante (GO), é uma das Unidades de Conservação do Cerrado que recebeu em 2017 a capacitação em combate a incêndios florestais, ministrada pelo Corpo de Bombeiros de Goiás.

“Em 2011, a Reserva teve cerca de 60% de sua área tomada pelo fogo por conta de um grande incêndio, o que nos fez intensificar os esforços de combate e prevenção ao fogo”, reforça Leide Takahashi. Algumas das iniciativas foram o reforço da brigada de incêndio, a retirada de vegetação rasteira em linhas para evitar a passagem do fogo durante um incêndio - conhecidos como aceiros - e a instalação de caixas d’água em diversos pontos estratégicos da Reserva.

A equipe da Reserva também elabora anualmente um zoneamento das áreas de alto risco de incêndio, mapeamento que orienta todas as ações de prevenção e auxilia no planejamento de combate em campo. “Essas ações têm colaborado para que as áreas queimadas não ultrapassem cerca de 20% da área total, nos últimos cinco anos”, destaca Leide.