Nome da Foto
Araracanga. Foto: Haroldo Palo Jr.

Notícias

03 out 2017
Apoio a Projetos

Aplicativo ajuda a mapear acidentes com a fauna silvestre no Brasil

"Urubu Mobile" conta com a colaboração dos usuários para informar os atropelamentos

Aplicativo conta com a colaboração dos usuários para informar e mapear atropelamentos no Brasil
Crédito: Divulgação. ​
Dados divulgados pelo Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CBEE) revelam que cerca de 473 milhões de animais são atropelados todos os anos no Brasil.

Para conhecer de perto esse problema da fauna foi criado o Programa Sistema Urubu - rede social de conservação da biodiversidade, idealizado pelo CBEE, com apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Como parte das estratégias desenvolvidas está o “Urubu Mobile”, um aplicativo que conta com a colaboração dos usuários para informar e mapear os atropelamentos por todo o Brasil. Desde o lançamento, há três anos, o app foi baixado por mais de 22 mil pessoas, que realizaram 70 mil registros em estradas brasileiras. 

De acordo com Alex Bager, responsável pelo Programa, as grandes vitórias são em escala nacional. “Mais que passagens de animais ou obras realizadas nesses três anos, nós estamos evoluindo no desenvolvimento de políticas públicas estaduais e nacionais. Esse é o grande avanço que estamos realizando em prol da conservação da natureza e de forma colaborativa”, comenta.

Apesar de 90% dos atropelamentos atingirem animais de pequeno porte, a taxa de fauna de grande porte também é significativa: quase 5 milhões por ano. Segundo o coordenador de Ciência e Informação da Fundação Grupo Boticário, Emerson Antônio de Oliveira, essa taxa elevada representa um grande risco para a fauna brasileira. “Quando muitos animais são mortos, como no caso dos atropelamentos, uma reação em cadeia acontece. A diminuição de indivíduos e a extinção de uma espécie causam um desequilíbrio ecológico, afetando diretamente o ser humano, como por exemplo, proliferação de pragas e o deslocamento de predadores para centros urbanos em busca de alimentos”, afirma.

Confira algumas dicas importantes do Urubu Mobile ao avistar um atropelamento de animal silvestre na estrada:

  • Rodovias são locais perigosos para crianças. Não permita que desçam do carro para ver o animal na pista.
  • Evite o contato com a carcaça, lembre-se que os animais podem transmitir doenças e parasitas.
  • Se o animal estiver vivo não tente capturá-lo e transportar, pois certamente estará machucado. Avise a polícia rodoviária, polícia florestal e/ou o pessoal da concessionária da rodovia.
  • O CBEE tem interesse em registrar atropelamento de todas as espécies de animais selvagens (mas não insetos e outros invertebrados). Fotos de cobras, sapos e pequenas aves são tão importantes quanto tamanduás, onças e lobos.